Xylem trabalha sem parar para concluir solução de bypass de emergência

Quando a autoridade de água e esgoto de Rivanna precisou fazer um bypass de emergência, a equipe de especialistas da Xylem trabalhou sem parar e contornou diversos obstáculos para cumprir a missão.

Os operadores da autoridade de água e esgoto de Rivanna (RWSA) em Charlottesville, Virgínia, descobriram recentemente um problema em sua tubulação secundária de efluente de 54 polegadas. A solução óbvia para a tubulação, localizada na estação avançada de recuperação de águas de Moores Creek, foi um bypass de emergência.

A estação, no entanto, precisava de um sistema temporário que não afetasse o riacho que corre nas proximidades e não cortasse a ponte de acesso sobre ele.

Um parceiro forte com a experiência certa

A equipe da Xylem foi rapidamente chamada para desenvolver uma solução de bypass que mantivesse a infraestrutura da estação e protegesse o meio ambiente na região. Como a autoridade de água e esgoto já havia trabalhado anteriormente com a equipe da Xylem, eles sabiam que estariam em boas mãos.

Tim castillo

“Precisávamos de uma solução rápida e certeira”, diz Tim Castillo, gerente de águas residuais da estação de Moores Creek. “A experiência e os recursos que a equipe da Xylem traz consigo era o que precisávamos. A Xylem é um parceiro forte e a equipe fez o trabalho conforme planejado, o que aliviou muitas das preocupações do nosso pessoal.”

Um bypass de emergência com algumas reviravoltas

A tubulação secundária de efluente que o bypass temporário tinha de contornar cruzava de uma parte da estação de Moores Creek até a outra. Em consequência, o bypass teve de contornar vários obstáculos naturais e artificiais, inclusive vários purificadores e a ponte da Moores Creek Lane.

ASSINE NOSSO BOLETIM

Como a ponte era o único ponto de acesso para a metade posterior do complexo e para o edifício administrativo da autoridade, o corte da ponte durante o bypass estava totalmente fora de questão.
godwin-pumps-emergency-bypass

A equipe da Xylem imediatamente começou a trazer a tubulação e o equipamento de aluguel necessário para o bypass temporário. Para lidar com os mais de 30 milhões de galões por dia de vazão (MGD) que a RWSA necessitava, o bypass precisaria de três tubulações de flanqueamento de 18 polegadas em polietileno de alta densidade (HDPE).

O comprimento do bypass acabou sendo de aproximadamente 430 metros para cada tubulação de 18 polegadas, e mais de 1.500 metros de tubos foram trazidos de vários locais de aluguel da Xylem. Uma vez em Moores Creek, a tubulação foi fundida e montada pelos técnicos da Xylem, 150 metros de cada vez, e depois levada para o local e fundida.

Um sistema de bombeamento que tranquilizou a autoridade

Para alimentar o bypass, foram trazidas e instaladas quatro bombas Dri-Prime CD400M Godwin a diesel com silenciador. Para reduzir os custos com energia e combustível, as bombas foram instaladas e iniciadas sequencialmente, sendo somente usadas em linha quando necessário.

Cada uma das três tubulações de 18 polegadas contava com uma bomba dedicada capaz de lidar com uma vazão de aproximadamente 10 MGD (38 milhões de litros por dia). Cada bomba foi instalada com um transdutor de nível que foi pré-configurado para ligar e desligar as bombas a diesel dependendo do nível de fluido no poço úmido. Se o fluxo do sistema em uma tubulação aumentasse, a respectiva bomba seria automaticamente ativada. Durante os períodos de fluxo mais baixo, uma ou duas bombas estariam em funcionamento, mas as três bombas juntas somente durante picos mais elevados de fluxo.

A quarta bomba era uma reserva mecânica redundante de capota aberta que seria acionada se alguma das outras três bombas falhasse. Para proporcionar mais tranquilidade, o sistema do bypass incluía um alarme que foi programado para avisar o pessoal da RWSA se a bomba não estivesse operando nos níveis ideais ou se estivesse prestes a falhar.

emergency-bypass-bridge

Solução de bypass de emergência em menos de uma semana

Como o bypass exigiu um controle do trânsito na movimentada ponte sem cortá-la, a equipe da Xylem trabalhou sem parar para acelerar a instalação. A equipe concluiu a instalação em menos de uma semana. Uma vez instalados os flancos de tubos na ponte e ao longo do trânsito, foram fornecidas três rampas para manter o acesso à ponte durante a operação do bypass de emergência, que durou um mês.

Em última análise, a rápida resposta da equipe de Rivanna, apoiada pelo trabalho e os sistemas da equipe da Xylem, foi um exemplo da verdadeira gestão ambiental pela qual a RWSA é conhecida. O trabalho da autoridade ajudou a manter os córregos e rios locais livres de um impacto ambiental negativo.

Assista ao vídeo sobre o projeto

Foto de Tim Castillo, por Andrew Shurtleff

ASSINAR A IMPELLER

Série de artigos

O futuro da tecnologia da água: inteligente e sustentável

Começar a ler

Assine nosso boletim