Novo livro sobre segurança expõe os perigos ocultos nos esgotos

Após uma explosão letal em uma estação de tratamento de águas residuais na Flórida, duas funcionárias da Xylem percorreram um longo caminho durante seis anos para melhorar a segurança dos trabalhadores do setor de águas residuais. O novo livro publicado por elas combina a ciência com relatos de alguns dos maiores acidentes da história recente.

A Impeller recentemente conversou com Amy Forsgren, técnica da Xylem e autora do novo livro Airborne Occupational Hazards in Sewer Systems juntamente com Kristina Brinck, infodesigner da Xylem.

O que as levou a escreverem este livro?

A ideia surgiu em 2010, quando eu li sobre um terrível acidente que ocorreu na Flórida, em uma estação de tratamento de águas residuais. Foi um acidente que poderia ter sido totalmente evitado, no qual duas pessoas tiveram uma morte realmente horrível. A estação ignorou alguns procedimentos de segurança muito básicos. Eles enviaram uma equipe para soldar sobre um tanque cheio de metanol sem tomar as devidas precauções, e o calor da solda provocou uma enorme bola de fogo.

Fiquei tão furiosa que não duvido que tenha saído fumaça dos meus ouvidos. Então, conversei sobre o acidente com o Markus Holmberg, o gerente de segurança da Xylem, e sobre como eu tinha ficado chateada. Ele disse: “E o que você vai fazer?” Aí, a Kristina e eu decidimos escrever um livro sobre segurança.

O que vocês queriam que o livro focasse?

O foco evoluiu ao longo dos seis anos que levamos para escrevê-lo. Em vez de abordar o tratamento de águas residuais em geral, decidimos focar nos perigos transportados pelo ar. Nas estações de tratamento, os perigos mais comuns são os riscos industriais em geral, como risco de queda, eletrocussão, prensagem nas peças em movimento. Já existem vários livros que tratam sobre esses temas, não necessariamente para estações de tratamento, mas para a indústria em geral.

Porém, os esgotos têm uma atmosfera muito especial, porque as águas podem conter metano, que é explosivo, e sulfeto de hidrogênio, que é altamente tóxico quando inalado. Esses dois gases são gerados pela decomposição de resíduos. Vimos que vários livros sobre segurança, ao tratar sobre esses gases, dizem: “Eles não são realmente perigosos, a menos que você tenha de trabalhar em um esgoto”. Procuramos, mas não encontramos nenhum livro sobre as circunstâncias especiais dos esgotos.

ASSINE NOSSO BOLETIM

Quem vocês esperam que leia este livro?

Os engenheiros de sistemas municipais de água e águas residuais, qualquer pessoa que possa enviar alguém a um esgoto. Nós queremos que esses leitores conheçam os perigos do lugar para onde estão enviando pessoas. Esse é o nosso objetivo principal. Mas o capítulo sobre o sulfeto de hidrogênio também pode ser interessante para qualquer um que esteja fazendo uma pesquisa de segurança ocupacional sobre o sulfeto de hidrogênio, especialmente a análise estatística que fizemos. Acho que fomos as primeiras pessoas no mundo a resumir essas informações sobre o sulfeto de hidrogênio.

O que vocês aprenderam sobre o sulfeto de hidrogênio?

O que fizemos no nosso livro foi resumir todos os dados encontrados sobre a morte por biomarcadores e sulfeto de hidrogênio no Japão e nos EUA, algo que nunca tinha sido feito. Há oito anos, no Japão, tornou-se popular cometer suicídio usando sulfeto de hidrogênio. Mais de 100 pessoas se suicidaram dessa forma, sendo quase todos homens jovens.

Mas também houve algumas mortes acidentais. Em um dos casos, uma pessoa entrou no banheiro para cometer suicídio e, quando um de seus pais sacudiu a porta trancada, isso foi suficiente para que escapasse gás pelas frestas da porta. O gás é tão letal que ambas as pessoas morreram.

O que descobrimos foi que muitas pessoas morreram por causa do sulfeto de hidrogênio e, como é uma morte muito rápida, esse gás não aparece na urina e muitas vezes nem mesmo no sangue. Agora, podemos dizer que temos dados que demonstram que é possível morrer por altos níveis de sulfeto de hidrogênio sem que ele apareça em uma autópsia. É importante saber disso ao determinar a causa de uma morte em um local de trabalho.

Como foi o seu trabalho com a Kristina?

amy-and-kristina

Algumas semanas após ler sobre o acidente na Flórida, conversei com a Kristina sobre isso. Ela tem formação em jornalismo. Comentei com ela que há centenas de livros sobre segurança e ninguém os lê. Ela disse: “Isso é porque eles são muito chatos, Amy”. Então, conversamos sobre como fazer um livro muito mais interessante. Finalmente, decidimos mencionar acidentes no texto sempre que possível e fornecer um estudo aprofundado sobre alguns deles. Assim, a Kristina analisou grandes acidentes e passou muito tempo pesquisando sobre eles, depois eu li tudo e escrevi os capítulos.

O que mais interessa vocês a respeito do sulfeto de hidrogênio?

O que me interessa é a falta de correspondência entre a periculosidade do sulfeto de hidrogênio e como as pessoas o veem. O sulfeto de hidrogênio tem esse ridículo cheiro de ovo podre que todos conhecemos e não levamos a sério. Mas ele é tão tóxico quanto o cianureto. É um gás extremamente tóxico e eu acho isso fascinante. Entre as mortes causadas por gases na indústria dos EUA, a causa principal é o envenenamento por monóxido de carbono. A segunda maior causa é o sulfeto de hidrogênio. O metano e os vazamentos de gás são os que mais chamam a atenção, mas é realmente o sulfeto de hidrogênio o que provoca tantos ferimentos.

O que as pessoas podem fazer para permanecerem seguras?

Testar o ar, em primeiro lugar, e ter uma máscara à mão, que é igualmente importante. Do ponto de vista do empregador, a educação é essencial e ter um programa de segurança implantado para que as pessoas façam todos os testes antes de entrar em um esgoto e tenham os equipamentos apropriados. Há muitos equipamentos de teste de ar no mercado que são muito fáceis de usar e não são caros.

Quantas pessoas são afetadas pelo sulfeto de hidrogênio por ano?

Nos EUA, em média, morrem duas pessoas por ano devido ao sulfeto de hidrogênio ao trabalhar com águas residuais. Também há muitos feridos. Para cada morte, provavelmente, há cifras de outras pessoas que foram expostas ao gás com suficiente gravidade a ponto de receber atendimento médico. Um dos mitos é que, se você não morrer, você estará perfeitamente bem. Isso não é verdade. O sulfeto de hidrogênio pode causar vários tipos de problemas neurológicos e danos cerebrais, ele pode arruinar vidas e destruir famílias.

Há outras descobertas interessantes em seu livro?

Uma coisa que me surpreendeu muito foi quando começamos a procurar a AIDS nos sistemas de esgoto. Há alguns anos, a AIDS foi a moda do momento e muitos profissionais de segurança estavam falando sobre a exposição ao vírus em esgotos. Acontece que o perigo de encontrar AIDS em esgotos é zero, dado que o vírus não sobrevive bem fora de uma célula. Portanto, pelo menos é um dos perigos que podemos tirar da lista. A hepatite, no entanto, ainda é o grande perigo, assim como o tétano e os parasitas que estão se espalhando cada vez mais pelos sistemas de esgotos.

Como vocês se sentem agora que o livro foi publicado?

Esperamos que nosso trabalho seja útil. Ficamos muito felizes por receber tanto apoio por parte da gerência da Xylem. Também tivemos muita ajuda do Dr. Per Hedmark, um cientista pesquisador da Xylem.

Ao selecionar comentários sobre a obra para colocá-los na contracapa, os editores procuraram um dos maiores cientistas que trabalham com o sulfeto de hidrogênio, Tee Guidotti. Ele escreveu: “Este livro será útil para os profissionais da saúde pública e de valor incalculável para engenheiros civis que projetam esgotos municipais. É provável que ele salve vidas.” Quando os editores me enviaram esse comentário, eu pensei: “Uau. Se conseguirmos salvar alguma vida, terá valido a pena”.


Save 20% when you order the book online!
Enter promo code EEN17 at checkout.

Outros livros da série: Advances in Water and Wastewater Transport and Treatment.
Editora da série: Amy Forsgren

1. Harmful Algae Blooms in Drinking Water: Removal of Cyanobacterial Cells and Toxins, de H.W. Walker

2. Wastewater Treatment: Occurrence and Fate of Polycyclic Aromatic Hydrocarbons (PAHs), editora A.J. Forsgren

3. Membrane Bioreactor Processes: Principles and Applications, de S-H Yoon

4. Advanced Nanomaterials for Wastewater Remediation, editado por R.K. Gautam e M.C. Chattopadhyaya

5. Airborne Occupational Hazards in Sewer Systems, de A. Forsgren e K. Brinck

ASSINAR A IMPELLER

Série de artigos

O futuro da tecnologia da água: inteligente e sustentável

Começar a ler

Assine nosso boletim