Por que está na hora de reconstruir a infraestrutura de água dos EUA

Se a infraestrutura de água dos EUA fosse uma caixinha de leite em sua geladeira, você já a teria jogado fora há muito tempo. Se ela fosse um aluno, ela mal estaria tirando notas para passar raspando. Então, o que está errado? A Impeller conversou com Joe Vesey, vice-presidente sênior e diretor de marketing da Xylem para conhecer o problema e saber como pode ser resolvido.

“Grande parte da infraestrutura de água dos EUA foi construída há mais de 100 anos”, diz Vesey. “As instalações tiveram um pico entre 1925 e 1940. A maior parte dessa infraestrutura tem uma vida útil de 50 a 75 anos, então, em média, já passamos muito disso.”

Essa infraestrutura obsoleta tem como resultado uma grande quantidade de vazamentos. Alguns especialistas calculam que mais de 7,5 trilhões de litros de água tratada são perdidos todos os anos nos EUA devido a vazamentos e rupturas na tubulação. As empresas públicas de água, que já sofrem com orçamentos limitados, estão gastando dinheiro para tratar água que nunca chega a ser usada ou comprada.

ASSINE NOSSO BOLETIM

“Tenho um grande respeito pelos nossos clientes e pelo trabalho que eles fazem em suas respectivas comunidades”, diz Vesey. “Eles contam com orçamentos relativamente pequenos, considerando os desafios que enfrentam, mas ainda assim são capazes de usar sua infraestrutura antiquada para fornecer água confiável e de alta qualidade a milhões de clientes. Há muita engenhosidade envolvida nisso pela qual eles não ganham os devidos créditos.”

Rupturas frequentes na rede de água e sobrecarga dos esgotos

Apesar dos esforços das empresas públicas de água, elas podem ter dificuldades para gerenciar uma infraestrutura que, em alguns casos, tem mais de um século. A tubulação de água envelhecida é um bom exemplo disso. De acordo com a American Water Works Association (AWWA), calcula-se que ocorrem cerca de 240.000 rupturas na rede de água por ano nos EUA.

Em 2015, por exemplo, os moradores de Hollywood Hills, em Los Angeles, foram acordados no meio da noite pela água que estava inundando suas casas. Uma tubulação de água de ferro fundido, instalada em 1926, estourou e despejou cerca de 400.000 litros de água no bairro, rachando calçadas e cobrindo carros.

A sobrecarga combinada de esgotos é outro grande problema relacionado à infraestrutura de água.

“Lembro que, há muitos anos, todas as praias em torno de Nova York foram fechadas no dia 4 de julho devido à sobrecarga dos esgotos”, conta Vesey. “Quando os sistemas de esgoto e águas pluviais compartilham a mesma tubulação, a água contaminada pode terminar fluindo para lagos e oceanos. A infraestrutura que poderia evitar isso nunca foi instalada em alguns lugares, e isso é um grande problema no nordeste do país.”

Infraestrutura de água dos EUA: uma nota para passar raspando

A American Society of Civil Engineers lançou recentemente seu Relatório sobre a infraestrutura dos Estados Unidos de 2017, que é publicado a cada quatro anos. O relatório conferiu à infraestrutura geral dos EUA uma nota equivalente a 6 (D+), e a infraestrutura de tratamento de água e águas residuais não teve um desempenho melhor, com as notas 5,5 (D) e 6 (D+), respectivamente.

“Vários anos de atualizações de estações de tratamento e regulamentações federais e estaduais mais estritas reduziram consideravelmente os derramamentos de água não tratada e melhoraram a qualidade da água em todo o país”, afirma o relatório, apesar de observar que é preciso fazer mais. “Espera-se que mais de 56 milhões de novos usuários conectem-se aos sistemas de tratamento centralizados nas próximas duas décadas, exigindo um investimento de pelo menos 271 bilhões de dólares para atender as demandas atual e futura.”

Mudança climática e aumento da população

Os Estados Unidos precisam de uma nova e atualizada infraestrutura não apenas porque o sistema atual é antigo, mas também para atender a novas demandas.

“A mudança climática também está impulsionando a necessidade de termos uma infraestrutura nova e mais resiliente”, diz Vesey. “Nos últimos dois anos, tivemos 15 enchentes enormes que deveriam ocorrer uma vez a cada 100 anos. Estamos tendo inundações mais graves e secas mais fortes do que nunca, e as duas situações sobrecarregam nossa infraestrutura.”

Outro problema é que o aumento do nível do mar está provocando a intrusão de água salgada e inundações em zonas costeiras, especialmente no sudeste da Flórida.

“Quando as pessoas pensam em infraestrutura de água, elas pensam nos ativos propriamente ditos e, em geral, isso está certo”, afirma Vesey. “No entanto, também precisamos pensar sobre como essa infraestrutura está relacionada ao nosso abastecimento de água. As empresas públicas precisam de soluções inovadoras, porém práticas, para a intrusão de água salgada e salobra e para o esgotamento dos aquíferos, que são um problema em lugares como os estados do Kansas e da Califórnia. No caso do esgotamento dos aquíferos, a Xylem já desenvolveu uma solução de reutilização da água para Los Angeles, para ajudar o município a repor os lençóis freáticos.”

Além disso, à medida que a população aumentar e mais pessoas se mudarem para as cidades, aumentará a exigência sobre a infraestrutura de água. De acordo com a AWWA, será necessário aproximadamente 1 trilhão de dólares para manter e ampliar os serviços de água potável para poder atender à demanda nos próximos 25 anos.

Por que os EUA não investiram mais em infraestrutura de água?

“Há vários motivos pelos quais não investimos mais, e um deles é que esses ativos normalmente estão fora do alcance da vista e, portanto, também da cabeça”, explica Vesey. “A maior parte dessa infraestrutura é subterrânea. Se pudéssemos mostrar às pessoas o estado dos nossos ativos de água e águas residuais, haveria uma forte pressão para que fizéssemos algo. Da mesma forma que, se vemos uma ponte que está a ponto de cair, provavelmente vamos querer que ela seja consertada.”

Vesey afirma que houve uma mudança na forma como os EUA financiam a infraestrutura. “As verbas do governo federal tiveram um pico em torno de 1976, quando foram investidos 17 bilhões de dólares de fundos federais em infraestrutura de água. Atualmente, o gasto federal é de cerca de 4 bilhões de dólares, e o financiamento da infraestrutura tem sido passado aos estados, os quais, por sua vez, o passam aos contribuintes.”

Vesey diz que essa mudança torna ainda mais importante a conscientização do público sobre a necessidade de melhorar a infraestrutura.

Mudança na forma como a infraestrutura de água é financiada

“Acho que há várias coisas que podemos fazer para aumentar a verba destinada à infraestrutura”, afirma Vesey. “A primeira é fortalecer a Water Infrastructure Finance and Innovation Act, a lei que concede empréstimos a longo prazo e com juros baixos a empresas públicas para projetos de infraestrutura. É uma lei excelente, e precisamos aumentar a verba que ela disponibiliza.”

Vesey afirma que manter a isenção de impostos das obrigações municipais também ajudará. “Manter a isenção de impostos é uma forma de continuar tendo uma grande quantidade de capital à disposição das empresas públicas”, explica. “Também precisamos simplificar e disponibilizar mais projetos para parcerias entre os setores público e privado, que é outra forma de aumentar o acesso das empresas públicas ao capital privado.”

“Nosso CEO, Patrick Decker, fez parte do conselho executivo sobre infraestrutura do Bipartisan Policy Center, que esboçou soluções para aumentar as parcerias público-privadas no setor da água”, conta Vesey. “Seria ótimo se todos lessem o relatório do conselho.”

Aumentando a conscientização do público sobre os desafios da água

De acordo com uma pesquisa recente do Circle of Blue, as tarifas de água estão sempre aumentando nas grandes cidades dos EUA, e Vesey diz que é cada vez mais importante que os consumidores entendam por quê.

“As empresas públicas precisam melhorar o trabalho de envolvimento com suas respectivas comunidades”, afirma. “É necessário explicar os desafios e por que as tarifas estão aumentando. Hoje, o custo da água é, na verdade, muito inferior ao que as pessoas pagam pela conta de televisão a cabo. Ao mesmo tempo, devemos ser sensíveis aos diferentes níveis de renda. Estudos demonstram que 30% dos cidadãos norte-americanos têm dificuldades para pagar suas contas de água. As empresas públicas podem instalar medidores de água que as ajudarão a definir diferentes estratégias de definição de preços para diferentes níveis de renda.”

Há muito em jogo

“Há muita experiência hoje nas empresas públicas de água, com muita engenhosidade e inovação para que a água continue fluindo”, diz Vesey. “Grande parte desse trabalho passa despercebida, sem receber o devido agradecimento. Imagine o que aconteceria se mais pessoas abrissem a torneira e não saísse água. Todos saberiam o nome de sua empresa pública local de água, com certeza.”

Vesey adverte que, quando a infraestrutura de água sofre uma avaria ou quando surgem novas ameaças sem tratamento, as coisas podem dar errado rapidamente.

“Em 1993, Milwaukee teve um surto de cryptosporidium devido a um defeito na estação de tratamento de água”, conta. “Mais de 400.000 pessoas foram contaminadas e adoeceram, e mais de 100 pessoas morreram. Portanto, há muito em jogo quando as coisas dão errado. As empresas públicas de água fazem um trabalho incrível com os recursos limitados de que dispõem, e devemos apoiá-las de todas as formas possíveis.”

 

ASSINE NOSSO BOLETIM

Série de artigos

O futuro da tecnologia da água: inteligente e sustentável

Começar a ler

Assine nosso boletim